Notícias › 11/08/2021

Papa na audiência geral: crer em Jesus Cristo nos conduz à verdadeira vida

“Aqueles que procuram a vida precisam olhar para a promessa e para a sua realização em Cristo”. Palavras do Papa Francisco ao refletir sobre a “Lei” na Carta aos Gálatas do Apóstolo Paulo, na Audiência Geral da quarta-feira, 11 de agosto na Sala Paulo VI

Na Audiência desta quarta-feira (11/08) o Papa Francisco continuou suas catequeses sobre a Carta aos Gálatas com o tema de hoje “Por que, então, a Lei? Esta é a questão que, seguindo São Paulo, queremos aprofundar hoje, a fim de reconhecer a novidade da vida cristã animada pelo Espírito Santo”, explicou o Papa.

“Quando Paulo fala da Lei refere-se normalmente à Lei mosaica, à lei de Moisés, aos Dez Mandamentos. Estava relacionada com a Aliança que Deus tinha estabelecido com o seu povo”. “A Lei – segundo vários textos do Antigo testamento – é a coleção de todas as prescrições e regras que os israelitas devem observar, em virtude da Aliança com Deus”. “A observância da Lei garantiu ao povo os benefícios da Aliança e o vínculo especial com Deus”. “A ligação entre Aliança e Lei era tão estreita que as duas realidades eram inseparáveis. A lei é a expressão que uma pessoa, um povo está em aliança com Deus”.

Intuições de Paulo sustentado pela graça

Por isso, observa Francisco, “é fácil compreender como os missionários que se tinham infiltrado entre os Gálatas tiveram uma boa oportunidade de reivindicar que a adesão à Aliança também implicava a observância da Lei de Moisés”. E o Papa explica que assim chegamos ao foco da questão: “É precisamente sobre este ponto que podemos descobrir a inteligência espiritual de São Paulo e as grandes intuições que ele expressou, sustentado pela graça que recebeu para sua missão evangelizadora”.

“O Apóstolo explica aos Gálatas que, na realidade, a Aliança e a Lei não estão ligadas de modo indissolúvel. Pois a Aliança estabelecida por Deus com Abraão estava fundamentada sobre a fé no cumprimento da promessa e não sobre a observância da Lei, que ainda não existia. Pois, se a herança se obtivesse pela Lei, já não proviria da promessa”

Desta forma Paulo alcançou um primeiro objetivo: “a Lei não é a base da Aliança porque veio mais tarde”.

Viver no Espírito Santo que liberta da Lei

“Dito isto, não se deve pensar que São Paulo era contra a Lei mosaica. Várias vezes nas suas Cartas, defende a sua origem divina e afirma que desempenha um papel muito específico na história da salvação”, esclarece o Papa.

“No entanto, a Lei não dá vida, não oferece o cumprimento da promessa, pois não está em condições de a poder cumprir. Aqueles que procuram a vida precisam olhar para a promessa e para a sua realização em Cristo”

Por fim Francisco conclui:

“Caríssimos, esta primeira exposição do Apóstolo aos Gálatas apresenta a novidade radical da vida cristã: todos aqueles que têm fé em Jesus Cristo são chamados a viver no Espírito Santo, que liberta da Lei e ao mesmo tempo a leva a cumprimento segundo o mandamento do amor”.

“Isto é muito importante, a lei nos leva a Jesus. Mas alguns de vocês podem me dizer: “Mas, Padre, uma coisa: isto significa que se eu rezar o Credo, não tenho que cumprir os mandamentos”? Não, os mandamentos são atuais no sentido de que são ‘pedagogos’ que levam você ao encontro com Jesus, mas se você deixar de lado o encontro com Jesus e quiser dar maior importância aos mandamentos, este foi o problema destes missionários fundamentalistas que se intrometiam entre os Gálatas para desorientá-los. Que o Senhor nos ajude ir adiante no caminho dos mandamentos, mas olhando o amor de Cristo com o encontro com Cristo sabendo que o encontro com Jesus é mais importante do que todos os mandamentos”.

FONTE: VATICAN NEWS

Imprimir

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *