Notícias da paróquia › 17/06/2015

Reverência ao Monsenhor Fernando

389

O Eclesiastes ensina como discernir as etapas da vida, ao assinalar que “Para tudo há um tempo, para cada coisa há um momento, debaixo dos céus” (3,1). Machado de Assis obtempera que o tempo é um químico terrível e invisível, que tudo transforma e muda, independentemente da vontade humana. Esse fenômeno atingiu o nosso querido Pároco, Mons. Fernando de Godoy Moreira, que por questões de saúde, preferiu restringir as suas atividades junto ao seu amado rebanho e requereu a renúncia do ofício de Pároco, cuja Provisão havia sido renovada em 09.02.15, pelo Arcebispo Metropolitano Dom Airton José dos Santos. Considerando o relevante zelo como exerceu o múnus pastoral e a longa e profícua caminhada a serviço do Reino de Deus, da Igreja e da comunidade, sua Excelência Reverendíssima, em bom alvitre, decidiu aceitar a renúncia, porém, concedeu-lhe o título de Pároco Emérito, de sorte que o Mons. Fernando continua com atividades paroquiais É relevante enfatizar que a aposentaria ou a renúncia não produz automaticamente a homenagem de emérito, ao teor do cân. 185, do Código de Direito Canônico, que dispõe: “Pode-se conferir o título de emérito a quem perder o ofício por idade ou por renúncia aceita.”

É oportuno conhecer, embora em apertada síntese, a trajetória frutuosa do ora homenageado, que serve de exemplo e de parâmetro para todos os que desejam amar a Deus e ao próximo, os dois mandamentos que condensam o Decálogo Mt. 12,28-34, pois o amor não somente dá sentido a todas as coisas, como é o sentido da criação 1Cor 13,1-13.

Mons. Fernando é o quarto filho, dentre os cinco, de Sebastião de Godoy Moreira e Victoria De Mori de Godoy Moreira. Nasceu em 06.05.1933, em Ribeirão Bonito-SP. Sua ordenação sacerdotal ocorreu na sua cidade natal, em 19.12.59.

Para melhor desempenhar o seu sagrado ministério, buscou aperfeiçoar os talentos que Nosso Senhor lhe reservou, uma vez que Ele não aceita que o seu escolhido adote o medo paralisante, que impede o esforço e a sua criatividade, como se infere da parábola do rei, em que o servo que recebeu apenas uma mina para administrar, ao invés de fazê-la multiplicar-se, optou para guardar o dinheiro num lenço, impedindo-o de produzir, sendo chamado de “servo mau” Lc 19,11-28. Nessa esteira, concluiu vários cursos superiores, como os de Filosofia e Teologia no Seminário Provincial de Diamantina/MG; Ciências Jurídicas e Sociais, pela Faculdade de Direito da PUC Campinas, em 1974. Além disso, é Professor de Português, pelo Curso do MEC e fez a Escola Superior de Guerra, ADESG Campinas. É pós-graduado em Orientação Educacional, na Faculdade Auxilium, de Lins; em Filosofia, pela Faculdade de Mogi das Cruzes, além de duas especializações em Direito, na Universidade de Roma. É advogado inscrito na OAB/SP sob o nº 50.201, desde 23.05.78.

Os conhecimentos que acumulou pelas imensuráveis horas de estudo, foram postos em prática e partilhados com o povo de Deus. Exerceu a docência na Pontifícia Universidade Católica de Campinas, entre 1970 e 1985, nas Faculdades de Direito, Administração, Economia, Fisioterapia e Comunicação Social. Foi vice-diretor do Instituto de Filosofia e Sociologia da mesma Instituição. Atuou, ainda, como advogado do Tribunal Eclesiástico de Campinas.

Ressalta-se que essas atividades não diminuíam o seu dinamismo na missão de sacerdote, ao proceder segundo as exortações de S. Paulo ao jovem presbítero Timóteo: Sê exemplo para os fiéis, na palavra, no procedimento, na caridade, na fé e na castidade. Aplica-te à leitura, à exortação, à instrução, Não negligencies o carisma que está em ti e que te foi dado pelo Espírito Santo, por meio do bispo ao te impor as mãos. Atende a estas coisas, e ocupa-te com todo o empenho nelas, para salvar-te e salvar os que te ouvem, 1Tm 4,12-15.

Pelo vivo ardor a serviço de Deus e da Igreja, foi nomeado por Dom Gilberto Pereira Lopes para zelar pela parte monetária do 14º Congresso Eucarístico Nacional, ocorrido nesta cidade, em 2001. Sua preocupação com as crianças levaram-no a construir a creche do Menino Jesus de Praga e reavivar a de Santa Rita de Cássia, ressaltando-se que somente nesta última são abrigados maios de 200 pequeninos. Para melhor evangelizar, adquiriu o terreno e construiu a Igreja São Francisco de Assis, na Vila Brandina, reformada recentemente pelo nosso Vigário, Pe. Rodrigo Catini Flaibam, assim como coordenou a conclusão do projeto de nossa igreja, com a edificação da cúpula, a reforma do presbitério, troca do piso e pintura geral, tornando-se o templo mais bonito da Arquidiocese, depois da Catedral, segundo o pranteado D. Bruno Gamberini. Para a celebração do Jubileu de Ouro da nossa Paróquia, em 2014, empreendeu nova restauração na igreja, culminando com o mosaico artístico instalado na parte frontal, objeto de visitação do povo e de turistas, por tratar-se de obra de arte. Diligenciou para que a paróquia pudesse oferecer espaços para os trabalhos pastorais e moradia digna para os sacerdotes doentes ou com idade avançada, tendo adquirido terrenos e casas para bem acolhê-los. Merece destaque, ainda, que às vésperas de completar 82 anos de idade, no dia 25.04.15, lançou a pedra fundamental para erigir o Centro Catequético paroquial, na Rua Hermas Braga, 186, com mais de 500m2 e dois pavimentos. Sabe-se que em sua mente laboriosa e incansável muitas outras obras pretendia erigir, como estacionamento para os veículos que conduzem o povo a frequentar a nossa Igreja.

Não obstante a sua simplicidade e discrição, as suas ações são notadas e festejadas. Nesse esteio, recebeu muitos títulos, láureas e comendas. À guisa de exemplo, cita-se alguns: da Santa Sé, o título de Monsenhor, em 1977; do Tribunal Superior do Trabalho, em Brasília, em sessão solene, a Comenda de Mérito; da Câmara Municipal de Campinas, três títulos: a Medalha Arautos da Paz, em 19.08.09; de Cidadão Campineiro, em 2011; em 16.05.14, em Sessão Solene na Paróquia Santa Rita de Cássia, como pároco, o Diploma de Honra ao Mérito; em 22.05.14, o Papa Francisco concedeu-lhe uma Bênção Apostólica Especial; e no dia 06.08.14, a Láurea Antônio Álvares Lobo, da OAB S. Paulo, na 3ª. Subseção de Campinas.

Este singelo discurso não traduz despedida, mas o reconhecimento ao amor que o Mons. Fernando manifestou ao povo de Deus, não pela boca, mas por ações, como lembra o discípulo que Jesus amava, “Filhinhos, não amemos só com palavras e de boca, mas com atos e de verdade!” (Cf. 1Jo 3,18). É oportuno recordar que Jesus manifestou o seu inconformismo pela falta de gratidão de nove curados da lepra, ao único que foi agradecê-lo, Lc 17,17, bem como demonstra o desvelo que nutre pelos seus escolhidos, Mt 9,41. O Texto pretende, ao mesmo tempo, invocar – sem o conhecimento do homenageado – para que, pela intercessão de Santa Rita, a Trindade Santa, o nosso Arcebispo Dom Airton José dos Santos e o novo Pároco, Pe. Carlos Donizeti da Silva, permitam que o Monsenhor continue conosco para encaminhar almas para a Bem-aventurança e concluir os projetos iniciados, como discípulo fiel de Jesus, que se fez servo de todos Mt 20, 27-28.

Por Wilson Cesca, advogado e agente de pastoral.

Imprimir

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *