Padroeira

santa-ritaSanta Rita de Cássia

Santa Rita de Cássia nasceu na província de Úmbria, Itália, no ano de 1386. Transcorreu sua infância com inocência e pureza. Desde o berço, já se manifestavam prodígios a seu respeito, como por exemplo, o das abelhas brancas. Empenhou-se em obter licença dos pais para consagrar-se freira, no estado virginal, mas não obteve e foi obrigada a comprometer-se ao casamento com 14 anos. De seu casamento nasceram os gêmeos Giangiacomo Antonio e Paolo Maria. Depois de dezoito anos de casamento, seu marido foi assassinado. Apesar dos apelos de Rita, seus filhos quiseram vingá-lo, mas morreram antes de conseguir, acometidos pela peste.

Santa Rita foi admitida no Convento Agostiniano de Santa Maria Madalena, na cidade de Cascia, por volta de 1407. Foi um exemplo de vida religiosa, com suas orações e mortificações. Ela se devotou especialmente a cuidar de irmãs doentes e a aconselhar pecadores. Ficou famosa por seus milagres, associados ao surgimento de uvas e rosas em lugares secos e sem vida. Diz a história que, no convento, foi visitada num dia de inverno, por uma prima, a quem pediu que fosse até o jardim de sua casa e colhesse rosas. A prima estranhou porque no inverno rigoroso italiano era impossível ter rosas no jardim, mas ela se deparou com um jardim florido. Cumprindo ordens da madre superiora do convento, Santa Rita regava todos os dias um ramo de videira seco que, para surpresa de todos, renasceu e produziu muitas uvas. Durante boa parte da vida, Santa Rita levou na testa uma ferida incurável, semelhante a uma coroa de espinhos.

Faleceu no dia 22 de maio de 1457, de tuberculose, aos 71 anos de idade. Foi beatificada em 1626, pelo Papa Urbano VIII que, em 1637, autorizou sua missa e seus ofícios. Devido aos muitos milagres ocorridos graças a sua intercessão, recebeu na Espanha o título de “Santa dos casos impossíveis”. É também chamada de advogada dos casos desesperados, auxiliar na hora extrema, refúgio na dor e salvação para os que se acham no abismo da dor e do desespero. Foi canonizada em 24 de maio de 1900, por Leão XII. Em 1946, foi construída uma nova basílica em Cascia, onde seu corpo está exposto. Seu culto é um dos mais populares no mundo inteiro.

Novena de Santa Rita de Cássia

1. Oferecimento
Querida Santa Rita, eu vos ofereço esta novena por intenção das famílias sofredoras, dos doentes e aflitos, dos pobres pecadores, dos sacerdotes e missionários, das vocações sacerdotais e religiosas e por minhas intenções particulares. Dignai-vos atender-me bondosamente. Amém.

2. Meditação e Oração do dia
3. Oração Final (Oração a Santa Rita de Cássia)

Primeiro Dia (todo dia 13 do mês)

Meditação: Santa Rita nasceu para este mundo graças à ajuda de Deus. Seus pais já eram idosos quando a tiveram. Ela, Marguerita (Margarida), foi fruto de muita oração e súplicas da parte de seus pais. Seu nascimento foi uma festa! Conta a história que sua família trabalhavam no campo. Enquanto cultivavam a terra, deixavam sua filha num cesto de vime, debaixo de uma árvore. Aconteceu que certa vez, ficaram maravilhados ao verem uma quantidade de abelhas brancas sobre a criança, algumas delas entrando e saindo de sua boca sem picá-la. Mais tarde, já no convento, as abelhas brancas, raras na região, apareceram novamente nos muros do mosteiro.

Oração: Querida Santa Rita, cujo nascimento foi presságio de futura santidade, compadecei-vos dos vossos devotos e alcançai-nos a graça de corresponder fielmente à divina inspiração, para que mereçamos as alegrias eternas. Amém. Pai Nosso, Ave Maria e Glória

Segundo Dia (todo dia 14 do mês)

Meditação: A pequena Rita, juntamente com suas colegas de catecismo, realizou na igreja do povoado de Roccaporena, onde nascera, a sua primeira comunhão. Preparada com esmero e devoção, ela recebeu Jesus Eucarístico, com sua inocência infantil e sua piedade amorosa. Daí em diante, suas comunhões passaram a ser frequentes, alimentando sua vida espiritual.

Oração: Querida Santa Rita, alcançai-nos a graça de sempre valorizar a santa comunhão, com preparação e ação de graças, resultando numa vida espiritual mais fervorosa, à semelhança de vossa vida. Amém. Pai Nosso, Ave Maria e Glória

Terceiro Dia (todo dia 15 do mês)

Meditação: A infância e a adolescência de Rita passaram-se em sua vila, na companhia de amigos e parentes. A obediência aos pais e aos mestres da escola, a dedicação aos estudos e ao trabalho diário como camponesa e pastora ajudando seus pais, foram as características de sua conduta exemplar, sabendo que o cumprimento de seus deveres era a melhor maneira de louvar a Deus.

Oração: Querida Santa Rita, que o vosso exemplo desperte em nós a resolução de dedicar-nos, com amor e perseverança, ao trabalho e exigências de todos os dias, sabendo que assim agindo estaremos agradando a Deus e sendo útil ao nosso próximo. Amém. Pai Nosso, Ave Maria e Glória

Quarto Dia (todo dia 16 do mês)

Meditação: Na época em que viveu Santa Rita, era costume os pais escolherem um noivo para seus filhos. Em seu caso foi escolhido Paolo Mancini, de vinte e cinco anos. Trabalhador, honesto e de boa família. No entanto, possuía um gênio difícil e frequentava a taverna, viciando-se, pouco a pouco, no consumo de álcool. Rita obedecendo aos pais casou-se com ele, embora, em seu íntimo aspirasse desde a infância uma vida consagrada a Deus. Dois filhos, Giangiacomo Antonio e Paolo Maria, vieram alegrar o seu lar. Os dezoito anos de casada não lhe foi fácil, pois precisou conviver com um homem que se tornou agressivo, bebedor e mulherengo.

Oração: Querida Santa Rita, tende piedade da inexperiente e irrefletida juventude! Aliviai o peso esmagador de tanta tribulação e tanta amargura que pesa sobre o coração de inocentes esposas que, como vós, não tem outro consolo senão as lágrimas e o silêncio. Ajudai-nos a seguir vosso exemplo de paciência e oração. Amém. Pai Nosso, Ave Maria e Glória

Quinto Dia (todo dia 17 do mês)

Meditação: Uma verdadeira tragédia se abateu sobre o lar de Rita. Seu marido, seguindo o exemplo da esposa, afastou-se da antiga vida e buscava a contrição. No entanto, acabou assassinado pelos inimigos que fizera. Anos depois seus dois filhos, que desejavam vingar a morte do pai, morreram de uma enfermidade fatal. Durante o tempo da enfermidade, a mãe lhes ensinou docemente sobre o amor e perdão. Antes de morrer, conseguiram perdoar aos assassinos de seu pai. Foi então que Santa Rita compreendeu que mais vale salvar a alma que viver muito tempo.

Oração: Querida Santa Rita, suplicamos que alcance a paz e concórdia para todos aqueles desventurados lares onde reina a desavença e o ódio. Alcançai-nos a graça de cessarem os dramas dolorosos nos seios das famílias, onde reine o santo temor de Deus. Amém. Pai Nosso, Ave Maria e Glória

Sexto Dia (todo dia 18 do mês)

Meditação: Ao estar sozinha, Santa Rita não se deixou vencer pela tristeza e pelo sofrimento e quis entrar no convento com as irmãs agostinianas, mas não era fácil conseguir. Não queriam uma mulher que havia estado casada. Ela se voltou a Jesus em oração. Certa madrugada ouviu que a chamavam: “Rita, Rita, Rita!” e quando respondeu observou que ali estavam Santo Agostinho, São Nicolau Toletino e São João Batista que a levaram pelas ruas do vilarejo até o Monastério de Santa Maria Madalena em Cássia. Cedo, quando as monjas entraram na Capela para as orações, lá estava ela. Como conseguira? Portas e janelas fechadas! Viram naquele fato, uma demonstração da Divina Providência, no sentido dela ser aceita. E assim, Rita tornou-se religiosa.

Oração: Querida Santa Rita, donzela cheia de virtudes, esposa sem igual, mãe excelente, viúva sem macha e monja segundo o anseio de Deus. Alcançai-nos o dom da perseverança em nossos bons propósitos. Amém. Pai Nosso, Ave Maria e Glória

Sétimo Dia (todo dia 19 do mês)

Meditação: A madre superiora do convento, desejando provar a vocação da nova irmã, mandou-a regar todos os dias um ramo seco de uma velha videira. Tarefa inútil. Rita obedeceu com humildade ante as irmãs que a observavam com irônico sorriso. Após algum tempo começaram a brotar novas folhas, e mais tarde a videira floresceu e deu muitos frutos. Com as uvas da videira regada por Santa Rita se preparou o vinho sacramental durante muitas décadas.

Oração: Querida Santa Rita, suplica a Deus para conquistarmos o dom da fortaleza cristã, domando as paixões e vaidades deste mundo, e ensina-nos o exercício do desapego e a paciência que traz frutos. Amém. Pai Nosso, Ave Maria e Glória

Oitavo Dia (todo dia 20 do mês)

Meditação: Rezando diante do crucifixo, pediu a Jesus a graça de participar de sua Paixão. Um espinho da coroa de Jesus saindo da imagem fincou-se em sua fronte, abrindo uma chaga dolorosa. Durante quinze anos suportou aquela chaga que exalava maus odores obrigando-a viver longe de suas irmãs monjas e que fê-la sofrer muito. Suportou tudo em silêncio e com grande paciência. O Senhor lhe deu uma trégua quando quis ir a Roma para o primeiro ano santo proclamado pelo Papa Nicolau V. Desapareceu o estigma de sua cabeça durante o tempo da peregrinação permitindo-a ver o Papa, obter as indulgências e visitar os túmulos dos apóstolos.

Oração: Querida Santa Rita, pelas dores agudas e por aquele isolamento de vossas irmãs que não podiam suportar a vista da incurável ferida aberta na vossa fronte pelo estigma glorioso da cruz: consegui para nós, que saibamos suportar com resignação cristã o peso da nossa cruz. Amém. Pai Nosso, Ave Maria e Glória

Nono Dia (todo dia 21 do mês)

Meditação: Aos poucos a saúde de Rita foi se debilitando. Permaneceu doente por quatro anos, até a morte aos 76 anos, em 22 de maio de 1457. Já no leito de morte uma parenta a visitou no inverno e ao se despedir perguntou se Rita desejava algo. Ela disse que queria uma rosa do jardim de sua antiga casa. A parenta achou que ela estivesse delirando. Mas, milagrosamente em meio à neve, havia uma rosa magnífica que colheu e levou para Rita que agradeceu a Deus por sua bondade. O mesmo aconteceu quando ela pediu que colhessem um figo. No momento de sua morte, a chaga da fronte se fechou e começou a exalar um delicioso perfume. Os sinos, tangidos por mãos invisíveis, repicaram sozinhos como na celebração de uma festa. Mais uma alma entrava no Céu, acolhida festivamente pelos anjos e santos.

Oração: Querida Santa Rita, cuja morte, em tudo semelhante à vossa vida, foi o espetáculo mais tenro e comovedor que se pode ver nos claustros. Que conselhos e despedidas a vossa daquelas irmãs de hábito! Ao mesmo tempo que choravam vossa partida, invejavam tão santa morte! Que olhar tão doce o vosso olhar! Que suspiros tão tenros por vosso amado Jesus! A chaga da fronte começou a emitir um doce perfume e luz! Por todas estas maravilhas, vos pedimos que nos alcanceis a perseverança final e uma morte preciosa aos olhos de Deus. Amém. Pai Nosso, Ave Maria e Glória

Oração a Santa Rita de Cássia

Ó Santa Rita, filha obediente, esposa amável de um homem difícil, mãe paciente de filhos indomáveis, irmã bondosa e compreensiva das religiosas do convento, mulher sofredora e fiel a Jesus, modelo de vida para todas as famílias, dignai-vos mostrar aqui vosso auxílio poderoso.

Vós conheceis a humanidade e seu sofrimento. Vós sabeis também das minhas necessidades e do pedido que venho depositar a vossos pés, confiando na vossa poderosa intercessão junto a Deus.

Concedei-me a graça mais importante: a de viver sempre na amizade de Deus e com os irmãos, ouvindo a Palavra do Evangelho, participando dos Sacramentos, crescendo na Fé e na vida de Comunidade. Inúmeras pessoas ajudastes, em casos desesperados e quase impossíveis, tornando-se assim refúgio seguro para todos os que rezam com fé.

Não esqueçais meu fervoroso pedido, vós que, como ninguém, tivestes o privilégio de se identificar com Cristo no mistério da cruz. Ajudai-me a carregar a minha cruz e a seguir com coragem o meu caminho.

Ó poderosa Santa Rita, sede minha protetora. Amém.

Imprimir