Notícias da paróquia › 14/09/2014

Missa nos 118 anos de falecimento do Maestro Carlos Gomes

Campinas no mês de setembro comemora o mês Carlos Gomes para homenagear seu filho ilustre. O Maestro Antonio Carlos Gomes nasceu em Campinas aos 11 de julho de 1836 em uma casa repleta de partituras de seu pai e faleceu em Belém no Pará em 16 de setembro 1896.

Fazendo parte da programação oficial da Prefeitura Municipal de Campinas, nas comemorações e homenagens destinadas ao ínclito maestro, encabeçadas pela Secretaria de Cultura do Município, a Igreja Matriz Santa Rita de Cássia já há alguns anos realiza missa em memória ao maestro Carlos Gomes, coordenada e idealizada pelo renomado Soprano Profª. Dra. Niza de Castro Tank e seu aluno Dr. João Gabriel Bertolini, que se dedicam na divulgação da obra do compositor.

Para a missa do sábado do dia 13 de setembro de 2014 às 12h15min, o Madrigal Decasom, grupo formado e dirigido pela Profª. Niza, tendo como organista o Prof. Dr. José Francisco da Costa (Chiquinho), executou algumas das obras de Carlos Gomes destacando as composições sacras do compositor. Carlos Gomes escreveu duas missas breves, sendo uma dedicada à padroeira de Campinas Nossa Senhora da Conceição e outra dirigida à Capital do Império, Rio de Janeiro, cujo padroeiro é São Sebastião. Também nessa missa fora executada uma peça avulsa do compositor, a Ave Maria, originalmente escrita para solo de soprano ou tenor, que fora brilhantemente harmonizada para coro misto pelo renomado maestro Armando Belardi. Ainda compondo o repertório apresentado, o Madrigal Decasom exibiu dois trechos do Poema Vocal Sinfônico Colombo, musica destinada aos festejos dos 400 anos do descobrimento das Américas.

A Celebração Eucarística foi presidida pelo Padre Rodrigo Flaibam, que destacou a importância de valorizar os Campineiros ilustres, de modo particular o Maestro Antonio Carlos Gomes que continua Levando o nome de Campinas e do Brasil para o mundo.

Acrescenta-se que Carlos Gomes, além de compor Modinhas e Canções, compôs as óperas A Noite do Castelo, Joana de Flandres, ambas em português,e Il Guarany, baseada no romance homônimo de José de Alencar, que foi aclamada no Theatro Alla Scala de Milão em 1870. Depois ele estreou na Itália as óperas Fosca, Salvator Rosa e Maria Tudor. Volta ao Brasil para a estréia de Lo Schiavo. Regressa a Milão e prepara Condore o Poema Vocal Sinfônico Colombo, repertório pianístico, sonatas e quartetos de cordas entre outras. Retorna ao Brasil a convite do Governador do Estado do Pará em 1896 já muito doente e falece aos 60 anos de idade.

Por Dr. João Gabriel Bertolini
Fotos de José Eduardo Gagliardi Florence Teixeira

Imprimir

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *